sexta-feira, 21 de maio de 2010

COISAS ERÓTICAS (1981)


Independente da sua qualidade artística e da sua pobreza como produto erótico (é mais brochante do que propriamente excitante), o longa COISAS ERÓTICAS, produzido em 1981 e exibido em 1982, tem seu lugarzinho de honra na história do cinema brasileiro: foi o primeiro filme pornográfico produzido no país, uma "novidade" que levou uma multidão de 4,7 milhões de curiosos para as salas de cinema!

Claro, eram outros tempos. O videocassete engatinhava mundo afora e ainda era novidade no Brasil, portanto a pornografia cinematográfica ainda não era um ritual individual (você com sua fita ou DVD no conforto da sua casa), e sim coletivo (você no cinema, vendo o sexo explícito na tela grande e desconfortavelmente rodeado de outros punheteiros).

Também havia ainda no Brasil a forte censura, que não permitia a exibição de pornôs em nossos cinemas, embora nos Estados Unidos e na Europa a indústria hardcore já estivesse instituída desde o começo dos anos 70.


Ironicamente, a censura nunca impediu que o cinema brasileiro explorasse o sexo e a sexualidade - embora não o pudesse fazer explicitamente, como nos produtos importados. Mas não faltava sacanagem nos filmes nacionais pré-COISAS ERÓTICAS, basta lembrar de "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (com José Wilker pegando Sônia Braga de quatro), "A Dama do Lotação" e as famosas pornochanchadas do período.

A abertura para a pornografia explícita começou em 1980, com algumas cenas rápidas e escuras em obras como "Boneca Cobiçada", de Rafaelle Rossi. E foi no ano seguinte que o mesmo Rossi chutou o pau da barraca e rodou COISAS ERÓTICAS, primeiro filme nacional a mostrar tudo, sem cortes - como o cartaz de cinema anunciava, cheio de erros de pontuação, "E assim!... Conheceram as maravilhas do Sexo!".


COISAS ERÓTICAS é um longa composto por três historinhas péssimas - mas, como o objetivo era mostrar putaria, vamos dar um desconto. A primeira e a última foram dirigidas pelo também produtor e roteirista Rafaelle Rossi, e a do meio é assinada por Laente Calicchio.

O primeiro episódio (que traz o nome do filme, "Coisas Eróticas") é uma pérola do mau gosto. Começa com Eduardo (Oásis Minitti, de "O Império do Sexo Explícito") literalmente sentado no trono, enquanto folheia uma revista masculina. Ato encerrado, o sujeito limpa a bunda, dá uma suspeita olhadinha sorridente para o papel higiênico sujo e vai direto para o chuveiro descascar a banana enquanto olha para a bela modelo nas páginas da revista.


Uma coisa que salta aos olhos já nestes primeiros momentos é o banheirinho tosco e tipicamente brasileiro: aquelas janelinhas basculantes com a toalhinha pendurada para secar, os azulejos bregas, o box minúsculo para tomar banho com uma enorme esponjona pendurada num preguinho na parede... Enfim, o tipo de coisa que só se vê mesmo no Brasil!

A história continua e só "melhora": Eduardo vai dar uma voltinha com sua Brasília e, numa rua movimentada, cruza com uma bela mulher num sinal fechado. Surpresa: é a modelo para quem ele bateu uma bronha horas antes! E não tem como segurar o riso diante do close na cara de surpresa de Minitti enquanto ele declara, emocionado: "Ei, mas eu te conheço!".


Segue-se um flerte, uma noitada no restaurante, e a bela modelo (interpretada pela linda Jussara Calmon, em seu primeiro filme) convida o rapaz para um final de semana em sua chácara. Lá chegando, Eduardo conhece a filha adolescente da amada, Arlete (Ilse Cotrim), uma daquelas meninas com os hormônios em ebulição. Detalhe: Arlete e uma amiga estão tomando banho de sol completamente nuas, mas nem elas e nem a mãe ficam constrangidas, e Eduardo é apresentado normalmente às garotas!

Mais tarde, enquanto Arlete transa com a amiguinha no chuveiro, Eduardo e sua modelo transam na cama de casal, quando finalmente rolam as tais "cenas explícitas" que todo mundo pagou ingresso para ver. A filha espia tudo pelo buraco da fechadura - apesar de a cena anterior deixar bem claro que a cama NÃO estava em frente à porta para permitir qualquer visualização!!! - e se apaixona pelo "quase padrasto", que irá seduzir no momento em que a mãe sair para "ir até a cidade".


A conclusão da "trama" é fantástica: a modelo volta à chácara antes da hora (num carro diferente daquele em que ela estava ao sair!!!), flagra o amado na cama com a própria filha e só consegue soltar um "Não...". O casal nem ao menos pára o que está fazendo, e a modelo sai para flertar com outro desconhecido no sinal de trânsito. Uma salva de palmas!

O segundo episódio (misteriosamente também batizado "Coisas Eróticas"!!!) é mais divertido, mas igualmente sem noção: um casal sadomasoquista (Marília Nauê e Andrev Soller), que só se excita trocando pancadas e chicotadas na cama, coloca um anúncio numa revista masculina oferecendo-se para fazer swing - uma novidade que seduzia a sociedade brasileira da época, também enfocada na engraçada pornochanchada "Embalos Alucinantes - A Troca de Casais" (1978), de José Miziara.


Quem responde ao anúncio é um casal aparentemente certinho e recatado (Vânia Bonier e Michel Belmondo), mas já no primeiro encontro os dois pares fazem um surubão com direito a troca-troca (homem com homem, mulher com mulher) e ménage a trois entre chicotadas.

Estranhamente, a historinha não tem uma conclusão, e nem mesmo o sexo "termina": os personagens ainda estão transando animadamente quando o episódio chega ao fim, sem que nem ao menos se mostre a ejaculação para dar a certeza do orgasmo.

E para quem não ligou o nome à pessoa, a feinha Vânia Bonier ficou "famosa" por fazer uma cena caliente com o pastor-alemão Jack no "clássico" "24 Horas de Sexo Explícito" (1984), de José Mojica Marins!


Finalmente, Rafaelle Rossi volta à direção para a terceira história, desta vez com um título diferente ("Férias de Amor"), e que na verdade tem um argumento muito parecido com o da primeira: os colegas de faculdade Betinho (Walder Laurentis) e Laura (a deusa Zaira Bueno) se apaixonam, e a moça convida o rapaz para um final de semana na chácara da família.

Ali, Betinho passa a pistola em tudo que se move (a sogra, as duas cunhadas... só o sogro escapa!). Mas, na conclusão engraçadinha, fica furioso com o convite da namorada Laura para transar no chuveiro, já que o hipócrita queria preservar a castidade da moça para o casamento - um marcante traço cultural daquela época.

Por sinal, já que estamos falando de Zaira Bueno no chuveiro, nunca vi um filme com tantas cenas de gente tomando banho como esse! A conta deve ter saído uma fortuna no final das filmagens. É quase mais água que em "Waterworld"!


COISAS ERÓTICAS foi uma verdadeira revolução na época do seu lançamento, já que os espectadores brasileiros finalmente poderiam ver os atores "transando de verdade", e não aquelas simulações um tanto ingênuas mostradas nas pornochanchadas e filmes eróticos de então.

A bem da verdade, ainda há muito sexo simulado no filme de Rafaelle Rossi, com alguns poucos closes do "tchaca-tchaca na butchaca" para comprovar que, sim, está ocorrendo penetração. Algumas das atrizes nem toparam ir até o fim: Zaira Bueno, por exemplo, não aparece fazendo sexo, nem explícito e nem simulado, apenas peladinha numa cena de banho - mas já vale, pois ela é a mulher mais bonita do elenco.

Além disso, o filme mostra um sexo explícito ainda tímido, e que os diretores visivelmente não sabem filmar direito (os órgãos sexuais ficam encobertos por braços e pernas o tempo todo; os ângulos de câmera escolhidos não são exatamente os melhores para ver a "ação").

Cenas de sexo oral (nele e nela) são rápidas e filmadas de longe, talvez para não chocar. E o filme raramente mostra a ejaculação dos atores, que nos pornôs costuma representar o realismo da coisa ("Se o ator gozou, é porque eles estavam transando de verdade!").


Mas pelo seu aspecto pioneiro e revolucionário, pelos detalhes 100% brasileiros (os banheiros bregas, os carros da época, as salas decoradas com vasos suspensos de samambaia!) e pela nudez das musas Jussara Calmon e Zaira Bueno (as outras mulheres são "normais" ou feias), COISAS ERÓTICAS merece ser conhecido (e reconhecido), até porque está para fazer 30 anos e com certeza a data vai passar em branco.

Nem que seja para dar risada diante dos tradicionais diálogos constrangedores, como "Arlete, não sei porque essa sua atitude, não fica bem pra você! Você é uma garota, e não pode saber coisas sérias sobre o amor" (dita por Minitti à filha da sua namorada, que acabou de ficar completamente pelada na sua frente!)


Ou ainda da conversa entre o rapaz e sua sogra no terceiro episódio, quando passam em frente a um motel de beira de estrada:

- Conheço um casal de amigos que vem ao motel duas ou três vezes por mês. Eles contam milagres! Dizem que a decoração é excitante! Qualquer dia eu gostaria de conhecer um só pra matar a curiosidade...
- Se quiser, eu posso lhe mostrar um agora!
- responde prontamente o genro safado.
- Hihihi... Até que a ocasião é própria!

Vale destacar que COISAS ERÓTICAS, um filme pornográfico, aparece em respeitável 12º lugar na lista das maiores bilheterias do cinema brasileiro de todos os tempos, com 4.729.000 espectadores, muito à frente de filmes como "Se Eu Fosse Você" (23º colocado), "Cidade de Deus" (31º colocado) e "Roberto Carlos a 300 Km por Hora" (45º colocado). Glauber Rocha e sua turma de xaropes cinema-novistas nem mesmo aparecem nessa lista, o que já diz tudo.

E o mais surpreendente é que se tirarmos da tal relação os filmes dos Trapalhões (22 deles aparecem entre as 50 maiores bilheterias!), os da Xuxa e os do Mazzaropi, COISAS ERÓTICAS imediatamente sobe para uma honrosa SEXTA COLOCAÇÃO entre as maiores bilheterias do cinema nacional, atrás de "Lúcio Flávio - O Passageiro da Agonia" e "Dois Filhos de Francisco"!!!


Não é pouca coisa para um filme pornográfico... Ainda mais para um pornô brochante como este do Rafaelle Rossi, que comete até o disparate de colocar uma versão disco do tema de "Tubarão" (!!!) para tocar durante uma cena de sexo, e traz um dos personagens dublado por Marthus Mathias, o dublador oficial do Fred Flinstone!!! Dá até medo que ele grite um "Wilmaaaaaaaaa!" durante a cena de sexo...

Mesmo assim, COISAS ERÓTICAS conquistou o público e ganhou uma seqüência menos famosa, realizada pelo mesmo diretor em 1984.

PS: Para entender um pouco do "choque" que foi ver um pornô nacional nos cinemas lá atrás, no início da década de 80, é sempre interessante procurar pelos relatos de quem viveu aquela época. Aqui tem um bem interessante, e que revela um pouco de uma época cheia de inocência, diferente destes tempos modernos em que qualquer pivete com acesso à internet consegue ver uma suruba de loiras siliconadas com cães, gatos e coprofagia a qualquer hora, no conforto do seu lar...


*******************************************************
Coisas Eróticas (1981, Brasil)
Direção: Rafaelle Rossi e Laente Calicchio
Elenco: Oásis Minitti, Jussara Calmon, Zaira
Bueno, Vânia Bonier, Walder Laurentis,
Regina Célia e Deusa Angelino.

35 comentários:

Thomas Alex disse...

Felipe, tenho que tirar o chapéu pra você meu amigo, só você consegue garrimpar esse "clássicos" esquecidos pela mídia e pelos fãs, valeu amigo, assim que tiver tempo vou ver se assisto ele.

Vagno Fernandes disse...

Lembro que nessa época, pra ver um pouco de "putaria" na TV, só naquele programa da Record SALA ESPECIAL, ou no COMANDO DA MADRUGADA da Bandeirantes, que mostrava umas boates nervosas. Velhos tempos...

Luciano Cirne disse...

Essas fotos que vc pôs aqui estão mal tiradas ou o filme é escuro assim mesmo?? Rsrsrsrsrsrsrs...

spektro72 disse...

filme nacional porno e assim mesmo,eu tenho dois pornos classicos que sao ate engracados os titulos para os interessados de plantao sao : " ILUSOES EROTICAS 1983 COM: debora muniz,oswaldo cirillo e chumbinho "( este foi filmado em video tape e com atores ejaculado som abafado e dialogos pra de estranhos e historia nao bate com o titulo mas enfim um dos classicos da era do VHS ou auge dele na decada de 80 lancado pela extinta MASTERVISION " SEXO EM GRUPO de 1984 com: aryadne de lima ,walter gabarron " & "CONFISOES DE UM ADOLESCENTE de 1986 com: fernando benini , priscila presley" sao eroticos e como o nosso amigo diz ai... como sempre em todos os filmes porno daqui e daquela epoca nao ha ejaculacao em ambos e dialogos sao hilarios. parabens felipe por estes reportagens sobre o desconhecido cinema porno nacional ... valeu !!!!

Mila Corr disse...

Guerra! Vc viu esses filmes e comenta agora, ou voce caça esses filmes, e assiste só pra comentar?
Que coragem hein amigo? ahuhauuha

Mas então vc me mandou o link do dead snow e não tá entrando não, depois me manda de novo.

Um beijo

Felipe M. Guerra disse...

THOMAS - Obrigado, mas tem muita gente internet afora desenterrando estes clássicos esquecidos além de mim!

VAGNO - Minha iniciação sexual cinematográfica foi vendo "Rio Babilônia" sem cortes na TV Manchete. Na verdade eu vi pela frestinha da porta, pois quem estava assistindo era o meu pai e eu deveria estar dormindo. Acho que foi com a cena do ménage a trois na piscina que eu "virei um homenzinho".

LUCIANO - A única versão do "Coisas Eróticas" que circula por aí é ripada de VHS, e a imagem da fita está horrível, exatamente como você pode ver pelas fotos. Aliás, será que algum dia veremos uma cópia remasterizada do filme em DVD? Hahaha, que boa piada essa...

SPEKTRO - Só raridades, guarda bem essas fitas. Também tenho algumas que qualquer hora preciso digitalizar e largar na internet.

MILA - Vi "Coisas Eróticas" há séculos, mas revi esses tempos só para escrever este texto. Quanto ao site, está fora do ar para manutenção.

Thomas Alex disse...

Valeu, FELIPE, ms você merece, porque consegue ver os dois lados do filme, não só o lado ruim dele, como certos critícos de cinema, que se acham os entendidos, vêem.
Sei que você não gosta que fiquem dando palpites em filmes para que você faça uma resenha, mas de uma olhada em BALAS DE SANGUE com Thom Doty, escrito, dirigido e produsido por Sam Akina, que "tentou" homenagear Tarantino com esse filme.
Assista ele sózinho, pra não se arrepender depois...rsrsrs...

renzomora disse...

Felipe:
É do meu tempo mesmo.
Antes do VHS, os pornôs eram exibidos nos cinemas do centro de SP, por liminar de um juiz que liberou obras como "Garganta Profunda", "Atrás da Porta Verde" e, claro, orgulho nacional, "Coisas Eróticas", que, apesar de suas falhas (criteriosamente apontadas em seu post), tem o mérito de estimular a higiene pessoal com a repetição constante de cenas de banho (Indício de TOC por parte dos diretores?)
Abração
Renzo

arl disse...

curto teu blog ,sempre passo por aqui.tenho uma impressão de que como esse filme era o precursor de um novo genero no brasil o diretor foi mais "light" nas cenas mais quentes ,por isso evitou os closes que hoje dominam os filmes do genero.

spektro72 disse...

REATA ,desculpe a todos do ai do " filmes para doidos" estava com tanta pressa de digitar o filme que tinha na minha colecao que errei o nome do filme nao este este titulo " CONFISOES DE UM ADOLESCENTE " Este filme e americano com o ator jonhatan silverman exibido no " FESTIVAL DA PRIMAVERA " nos anos 80 na globo , o filme que tenho e " BACANAL DE ADOLESCENTE " Nao sei se o mestre do site filme para doidos tem este pois se tiver tem que ser analisado pois e hilario nao ha dialogos. somente narracao e off de um garoto em suas aventuras sexuais .
bem fica aqui a minha reata

Felipe M. Guerra disse...

"Bacanal de Adolescentes" não é aquele filme do office-boy que quer perder a virgindade? Lembro que ele causou muita polêmica por suposta pedofilia (o "ator principal" seria menor de idade, com 15 ou 16 anos, ou algo assim). Nunca encontrei o VHS deste filme, mas tem uma versão muda (sem nenhum som, o cara que digitalizou só capturou a imagem!!!) rolando pela internet.

Anônimo disse...

Quero assistir este filme, para relembrar algumas cenas que gravei na memória, mas, não acho o downloads do filme.

O Filme foi muito marcante para mim.

spektro72 disse...

ola,felipe! e esse mesmo eu tenho o VHS com capa e tudo ,pelas imagens do filme e foto da capa rapaz parece de menor mesmo .. minha copia tem uma narracao off com o protagonista e musica pois dialogos nao ha ... se tiver interessado vendo para voce esta copia de VHS ja que tirei uma copia digital para mim .

Anônimo disse...

Rapaz, resenha do caralho mesmo! Eu tinha feito uma meia-boca prum site de uns colegas meus há uns meses e ver essa pérola sua só me deu certeza de que preciso comer muito feijão com arroz hehehe

Esse filme é foda demais! Quando cheguei na faculdade, anunciando um pornozão com o Fred Flintstone, foi sucesso! E o ator que recebe a voz do Marthus.... porra, bicho, é um tutorial pra comer mal uma mulher. Sinto pena daquele fuleiro sempre. Fica visível um certo nojo da atriz na hora do ufs-ufs, enquanto ele se contorce feito Little Richard (talvez alguma dica do Kamasutra original).

E os diálogos, hahahaha! "Uma musiquinha vai bem" e "Marcelo, tira o dedo daí que tá ficando duro" hahahahahaha


Muito, muito obrigado por essa resenha (e pelo link no final)

Anônimo disse...

nota 10

Bruno Graziano disse...

Minha produtora está produzindo um doc sobre o filme, e citei seu texto em nosso site. confere lá:

http://controleremotofilmes.wordpress.com/clipes/

bruno graziano.

Anônimo disse...

Olá td bem??? Poxa fikei chocada ao ver do nada esta última ft! Não sei nem como dizer isso: mas daonde vc a tirou??? pq sou eu na ft! por favor vc poderia retirá-la de seu blog??? agradeço desde já!

Felipe M. Guerra disse...

Oi ANÔNIMA, você por acaso participou do filme COISAS ERÓTICAS? Pois essa foto eu tirei do filme, e mostra a atriz Ilse Cotrim. Se você for mesmo a Ilse Cotrim, também aparece numa foto mais para cima, com o Oásis Minitti de cuequinha vermelha!

Carlos disse...

Felipe, conheci seu blog há uma semana e tenho me divertido muito com as suas resenhas. Sobre esse Coisas Eróticas posso dar meu testemunho pois o assisti no cinema quando foi lançado. Era um dia de semana e a platéia estava lotada, metade eram estudantes que tinham matado aula pra ver, e era uma zona da porra quando o filme começou mas, quando apareceu a primeira cena explícita caiu um silêncio de pedra sobre a platéia, acho que se caísse uma agulha no chão poderia ser ouvida. É, eu estava lá, vendo com os meus próprios olhos o início de uma nova era. Abs!

Hugo disse...

Olá, Felipe, tudo bem? Bom, vou aproveitar esse espaço de comentários para dizer que, caso alguém veja esse comentário e queira se manifestar, estou produzindo um documentário sobre o "Coisas Eróticas". Eu, uma amiga e mais o Bruno Graziano, que já comentou aqui! Meu e-mail é hugomouras@gmail.com. Caso alguém aqui se interesse em falar, só me contatar... Vai ajudar muito! Adoraria testemunhos de gente que viu o filme na época...

Gravamos com 20 pessoas já, quatro delas participantes do "Coisas Eróticas"... É isso...

Felipe, se puder, mande-me um e-mail? Sem assunto mesmo... Haha! Queria conversar com você.

E Ilse Cotrim, se for você, POR FAVOR SE MANIFESTE! Hehe!

Abraços, Felipe.

indy disse...

Ola!
Voce saberia me dizer o nome da atriz que o Walter Laurentiss fode logo antes de sua namorada pedir pra ele fode-la no chuveiro.
Aquela cena, com a musica sensual romantica francesa, ao meu ver, também salva o filme.
Quero mais fotos dakela gatinha (que hoje deve ter seus 50 anos de idade)
Obrigado!
Indy

marcela disse...

oi felipe, tudo bom? conheci hoje teu blog enquanto procurava um filme brasileiro do final da década de 60 (68, eu acho). é sobre um homem que trai a mulher duas vezes, e para vingar-se ela castra e prende o marido no sótão da casa deles do interior. nao satisfeita, a esposa começa a levar homens e mulheres para terem relações com ela na frente do marido. a estética é quase russ meyer: nudez, paisagens naturais,...
desde já agradeço,
marcela.

Anônimo disse...

Se eu nao me engano.vi este filme quando tinha uns 15 anos bacanal de adolescentes.pois meu primo mais velho chegou bebado eliberou para galera.a atriz principal me chamou a atençao.depois dos 20 descobri quem era a atriz principal,era minha vizinha,ja falecida.

Mika Masiero disse...

Cara, você não acredita mas eu trabalho ao lado da fila de Rafaelle Rossi, mundo pequeno ne!

Del Kamui disse...

Felipe, foi muito bacana encontrar os teus 'textos gigantescos', mas com muito conteúdo.

Em particular, acabei parando aqui, no post desse filme, porque queria ler mais sobre o primeiro porno-explícito nacional, já que possuo um blog de filmes nacionais, e tenho várias pornochanchadas e outros, de todos os gêneros, ao dispor.

Caso queira utilizar os links dos filmes do blog nos teus textos, fique à vontade.

A minha ideia de partilha está acima de tudo!

= )

http://rsfilmesbrasileiros.blogspot.com/2011/11/coisas-eroticas-1981.html

Anônimo disse...

Existe mesmo um filme pedobear chamado "Bacanal de Adolescente", eu o vi em VHS com 15 anos (1994) com minha namorada da época. Era um filme mexicano, inclusive era dublado, o nome escolhido aqui para o protagonista era "Juquinha".

Camila disse...

Gente eu queria informações, sobre as pessoal que fizeram o polemico filme "bacanal de adolescentes", aquele filme realmente tem cenas de pedofilia...
Como rodaram um filme assim?
Talves pra epoca era possivel... Mas ao que parece os produtores do filme parecem tentar apagar o filme do mapa, não encontro mais nada sobre os atores... Alguem aqui sabe sobre o filme...
A unica coisa que eu sei e que foi feito pela BOCA FILMES (Empresa desaparecida)... Queria saber como eles estão principalmente o protagonista.

Anônimo disse...

pessoal tem o filme "bacanal de adolescentes disponivel no site piratebay...lembrando que é torrent portanto usem programas como o bitcomet..

flw

Anônimo disse...

Eu consegui o filme. Tem 285 MB. Não só o garoto é de menor (uns 13 a 15 anos no máximo) como uma menina (de 14 ou 15 anos). É pornô mesmo. Vagina, pênis, em cores e ação! Na época em que foi filmado não havia essa neurose e paranóia de pedofilia. Estou pesquisando os nomes dos atores mas tá difícil. Qualquer informação, me contate >> karinefernandomg@hotmail.com

Éltoon disse...

Matéria excelente, parabéns.

Anônimo disse...

Sinceramente,gostei do site,onde se denuncia essas porcarias mal-feitas brasileiras! Filme pornô,explícito,erótico,etc. brasileiros são burros,brochantes,sem a menor imaginação,parecem filmagens de consultórios de ginecologia do SUS! Argh!!!"cineastas" brasileiros confundem erotismo,sensualidade,etc. com aulas de anatomia!?...

fabio disse...

aqui esta a ficha tecnica de todo o filme.

http://cinemateca.gov.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/?IsisScript=iah/iah.xis&base=FILMOGRAFIA&lang=P&nextAction=search&exprSearch=ID=024443&format=detailed.pft

Anônimo disse...

EU ASSISTI ESTE FILME NO CINE BABILÔNIA, HOJE FUNCIONA UM SHOPPING E PARA A ÉPOCA FOI UMA COISA SURPREENDENTE, POIS, A CENSURA ERA MUITO RIGOROSA.NA ÉPOCA EU TINHA 18 ANOS SOU PARAIBANO DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB. BONS TEMPOS QUE NÃO VOLTAM MAIS.

Anônimo disse...

Este filme é um clássico mesmo!
Aproveito para perguntar ao spektro72 se ainda tem o VHS do BACANAL DE ADOLESCENTE? ou pode me vender a cópia? Mas procuro o filme completo, com áudio. Meu contato é cndoriguello@yahoo.com.br

Junior Batista disse...

Tenho a sorte de ter o primeiro episodio em filme 16MM, muito bom, para quem é cinéfilo, sempre é gostoso relembrar!!!!!!